Movimentos cismáticos

Movimentos cismáticos

A Catedral Anglicana de São Paulo, liderada pelo reverendo Aldo Quintão realizará neste próximo domingo (28/10/12), assembléia geral para discutir sua desfiliação da Diocese Anglicana de São Paulo.

O que você acha disto?

Comente!

Comentar via Facebook
Faça um comentário

23 comentários

  1. Jeremy Taylor outubro 26, 13:20

    A atitude é unilateral… o Aldo, se insatisfeito, deveria ser honesto, em sair da porta da igreja que o acolheu, da mesma forma com que entrou… esses “carismáticos” já provaram não somente na IEAB mas em outras igrejas, que caráter e honestidade não têm. São aproveitadores que buscam perpetuar seus projetos pessoais e excêntricos. Não gostou do resultado do concílio, acha que irá mudar alguma coisa no resultado impugnando por conta de credenciais, por conta de visitas e tals… NÃO, isso não muda a vontade e desejo das pessoas! Por isso, o mais honesto e honrado de alguém que “se diz” clérigo, é pegar sua malinha, e cair fora!

    Responder a este comentário
  2. Jurema Ferreira Domingues novembro 6, 18:36

    O rev Aldo realmente esta fora da realidade, quando ele foi recebido na IEAB ja havia o Instituto Anglicano, Creche, Parque Belem etc ele só acrescentou midiaticamente, não esta contente com a eleição do novo bispo cai fora o pior de tudo isso que esta acontecendo é a omissão de Dom Roger.,,

    Responder a este comentário
  3. Dorcas Domingues novembro 8, 20:32

    O Rev. Aldo continua insistindo nos seus anacronismos. Como ele mantém a carta de anulação no site da Catedral uma vez que a mesma já foi defenestrada pelo Bispo Diocesano que sabiamente voltou atrás na sua decisão de anular o Concilio Extraordinário. Quem é o Rev. Aldo Quintão para se sobrepor a uma decisão soberana do Concilio Extraordinário e à homologação da eleição pela Comissão de Cânones e dos Conselhos Diocesanos? Vejamos o exemplo das ultimas eleições no Brasil e nos USA onde os resultados foram aceitos pelos derrotados num clima de grandeza democrática.

    Responder a este comentário
  4. Ricardo Pereira dezembro 26, 02:15

    Não entendo o porquê de tanto ódio, ira e inveja ao Rev. Aldo.
    Se quiserem ser melhor que ele trabalhem mais. O desafio está lançado
    Jeremy, Jurema e Dorcas vossas atitudes não condizem com Cristãos nem como Anglicanos.

    Responder a este comentário
    • Jurema Ferreira Domingues dezembro 26, 15:03

      Caro Ricardo realmente esses sentimentos eu não nutro porque eu não sou forasteira dentro da Igreja não cai de paraquedas, agora você deveria perguntar para o Rev. Aldo se esses sentimentos ele não nutre.Porque nesses mais de100 anos da Igreja Episcopal Anglicana no Brasil posso garantir para voce que 60anos eu estive trabalhando como formiguinha
      Fique em Paz
      Jurema

      Responder a este comentário
      • Ricardo Pereira dezembro 27, 00:57

        Nobre Jurema, vejo suas palavras com acidez e rancor neste Coração Cristão.
        Quanto ser forasteiros, é uma forma pejorativa de se referir à alguém que vem de outro lugar, por exemplo um nordestino, seria ele um forasteiro, seria o ex-presidente Lula um Forasteiro, seria os nordestinos de São Paulo forasteiros.
        Parabéns por trabalhar tanto tempo na IEAB, mas lembre que a IEAB pertence ao povo de Deus para que lhe rendam louvor e ações de Graças, seja forasteiros, nordestinos, negros, gays, deficientes, minorias.
        Paz em seu coração formiguinha da IEAB para Deus, para Deus!!!

        Responder a este comentário
        • Jacira Cunha abril 9, 23:24

          Como serem mortais os rancores são quase como leis num processo tão desastroso desse porte, do qual Aldo Quintão e seus coligados são responsáveis. Toda a Igreja chora amargamente. Uma das marcas mais fortes do jeito de ser anglicano, a colegialidade, foi ignorada por aqueles pensavam ser a diocese. Mas o pequenos na democracia tiveram a VOZ e foram negligenciados. Aldo que nunca gostou de se envolver com os outros prebiterozinhos ( na perspectiva dele) teve que engolir o resultado do concílio, e não engoliu pq seu é orgulho demais para o normal.

          Responder a este comentário
    • Claudio Martinelli março 22, 22:42

      QUERIDO RICARDO PEREIRA, PARA SE SABER A DIFERENÇA DO CAVIAR ” BELUGA ” PARA UMA SIMPLES OVA DE SALMÃO, PRECISA SE PROVAR O DOIS. SÓ ASSIM PODEMOS FIRMAR EMBAIXO TUDO QUE GOSTAMOS, E TUDO QUE FAZEMOS! MUITO PAZ!

      Responder a este comentário
  5. Jurema Ferreira Domingues dezembro 29, 07:32

    Ao abrir meu email deparei-me com o email do Sr.Claudio:realmente a Justiça Civil ficou para resolver o problema.O CONCILIO para a Igreja é para resolver problemas da Igreja.No Concilio houve a votação e Deão Flavio no primeiro escrutinio ganhou, não houve impedimento. Rev. Aldo e Rev. Rogério tiveram toda a oportunidade para discordar não o fizeram ,porque então entrar na Justiça Civil?

    Responder a este comentário
  6. Luiz Caetano Grecco Teixeira dezembro 29, 19:49

    Vão com Deus e deixem a gente em paz!
    Aqueles que desejarem permanecer na Igreja com certeza serão acolhidos com carinho pelas demais comunidades!

    Uma das grandes coisas do Protestantismo é a concepção de que a Igreja não é a denominação, mas a comunhão! Dividir Igrejas, rachas, essas coisas, não ferem o Corpo de Cristo, porque a diversidade humana é acolhida por Cristo. Só quem tem pensamento dogmático fica chocado com “rachas” na Igreja. A unidade da Igreja está em Cristo, não em burocracias institucionais. Não há um Cisma na DASP, há gente descontente e interesses prejudicados, como em qualquer crise política!

    É direito de qualquer pessoa pertencer ou não a uma instituição. O que não é direito, nem ético, é usar meios mediáticos para promoção pessoal e pressão psicológica para induzir outras pessoas a assumir certos posicionamentos.

    Antes que perguntem: sou episcopaliano há 43 anos, diácono há 27 anos e presbítero há 26 anos.

    Responder a este comentário
    • Claudio Martinelli março 22, 22:46

      LUIZ CAETANO GRECCO TEIXEIRA BOA NOITE.
      Adorei seu comentário. Muito pertinente quando diz ” há gente descontente e interesses prejudicados, como em qualquer crise política! ” veja pelo lado inverso. Abraços!

      Responder a este comentário
  7. Jose Humberto do Nascimento dezembro 30, 21:20

    Faço minhas as palavras do Reverendo Luiz Caetano Grecco Teixeira.
    “Vão com Deus e deixem a gente em paz!”

    Responder a este comentário
  8. Revdo. Josafá dezembro 31, 18:47

    Apenas uma pergunta: O Revdo. Aldo e paroquianos continuarão na IEAB?
    A resignação do D. Roger Bird foi anulada?
    Estou orando pelos irmãos da DASP;
    Que 2013 venha trazendo calmaria para toda a DASP.

    Responder a este comentário
  9. rev. tadeu cavalcanti janeiro 18, 11:33

    E a Bíblia já dizia…o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males…. (todos). E o filho do homem não tinha nem onde reclinar a cabeça.

    Responder a este comentário
  10. Carlos Eduardo Calvani janeiro 19, 16:00

    A des-graça da IEAB –

    transformar a seriedade do evangelho em “graça” barata;

    transformar a proclamação do Evangelho em piadinhas insossas para fazer rir a burguesia;

    “A burguesia fede… a burguesia quer ficar rica…
    enquanto houver burguesia, não vai haver poesia”;
    ridicularizar e envergonhar uma igreja que nunca foi rica (como muitos pensam);

    fazer-se de santo e benemérito de ações sociais;

    Lúcifer se eleva às alturas e quer ser como Deus.

    Da palavra “idolatria” podese retirar a letra “i” substituindo-a pela primeira vogal e duas consoantes.

    Ai de quem seguir a besta!

    Quem tiver ouvidos para ouvir ouça!

    Responder a este comentário
  11. Jurema Ferreira Domingues janeiro 21, 13:25

    Esses vieram de outras Denominações e Confissoes e não sabem o que é COMUNHÃO ANGLICANA e o ETHOS ANGLICANO, se soubessem respeitariam a Constituição, os CANONES DA IEAB e o SINODO REUNIDO,não souberam respeitar a IGREJA que os recebeu, o que esperar deles? VIeram para separar.DIABÓLICOS.

    Responder a este comentário
  12. Leandro Sartori Molino março 21, 05:45

    A comunidade da Catedral Anglicana de S. Paulo, quase que unanimemente, decidiu retornar às suas origens de independência da DASP, comprometendo-se coma Fé Anglicana e elegendo como Bispos Dom Roger e Dom Glauco. Não se trata de uma decisão “unilateral” de quem quer que seja mas, sim, de um movimento verdadeiro, demonstrativo de insatisfação e, conforme o Rev. Luis Caetano Grecco Teixeira, natural dentro do espírito do protestantismo, na acepção do termo. A Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo é o resultado da comunhão, em nada importando a sua denominação. Os que nos julgam (pois sou membro da Catedral) “diabólicos” devem ser seres realmente e tremendamente superiores e puros. Quem sabe, um dia, alcançaremos tal estágio de evolução em Cristo.

    Responder a este comentário
    • Claudio Martinelli março 22, 22:48

      Olá Leandro tudo bem? você é da Catedral de São Paulo? ABRAÇOS! Paz em Cristo!

      Responder a este comentário
    • Glauber abril 9, 23:53

      A comunidade da Catedral é antes de tudo membro da DIOCESE ANGLICANA DE SÃO PAULO e deve se submeter a ela. Um curso básico de anglicanismo te faria mudar de opinião mas infelizmente a tinta e o papel que seriam usados para a catequese foram desviados por Aldo para a confecção de fotos do seu busto que estão espalhadas pelas paredes da Catedral. E sobre esse espírito fracionário, da divisão, da desunião se são movimentos naturais dentro do protestantismo, são antes de tudo sopros do maligno, de quem quer ser como Deus.

      Responder a este comentário
  13. Camila abril 9, 16:36

    Essa galera é de (palavrão censurado) mesmo… Se tratando por ‘nobre’ ‘querida’ e metendo a faca nas costas do cabra…. Pq q cada um não cuida da própria catedral, e deixa a dos outros em paz?!

    Responder a este comentário
  14. claudinei antonio targino de oliveira maio 6, 18:53

    UM TESTEMUNHO

    Este testemunho é dirigido às pessoas sadias, honestas e de boa vontade que ainda existem na IEAB e fora dela.

    Antecedentes e Fatos

    No dia 08/09/12 recebi a notícia que em Concílio da DASP o Rev. Flávio Irala havia sido eleito Bispo da mesma por 19 a 18 votos na ordem leiga e 15 a 13 votos na ordem clerical.

    Diante da notícia a minha primeira atitude foi lhe telefonar e cumprimentá-lo desejando-lhe um bom episcopado.

    No dia seguinte (09/09/12) soube que tal eleição havia sido maculada por inúmeras irregularidades tais como fraudes, coações, ameaças a alguns eleitores.

    Acresça-se a isso a exígua maioria simples nas duas ordens, o que, convenhamos, embora canônica, não deveria existir na escolha de um bispo que é líder e pastor de toda uma Diocese, o que independentemente de nomes, deve supor um consenso que só uma maioria absoluta (montante de 2/3) deveria proporcionar.

    O bispo diocesano (Roger Bird) resolveu anular a eleição, decisão com a qual eu concordei.

    Depois disso, o que tem havido através da internet foram acusações e baixarias em linguagem sórdida e vil que eu não admitiria nem entre pessoas civilizadas, quanto mais entre cristãos. Diga-se, de passagem, que estas ofensas e insultos, em sua maioria, partiram de pessoas da igreja oficial, tanto da diocese, como de outras partes. A situação se agravou ao ponto de ir parar na justiça civil, o que é lamentável para uma entidade cristã.

    Como consequência de tudo isso, decidi apoiar os dissidentes, visto que, acima de tudo, eu sou pastor e nesta hora difícil, fiquei ao lado daqueles para quem eu sou amigo e que estão sob os meus cuidados pastorais. Por conta os ódios se voltaram contra mim também. Fizeram-me acusações às quais não respondo, pois estou em paz com a minha consciência e com Deus.

    Minha Interpretação

    As pessoas atingidas, a partir do Rev. Aldo Quintão, são pessoas que cumprem com fidelidade o seu ministério e com as quais partilho meu respeito e consideração.

    O Rev. Aldo é um sacerdote que tem qualidades e defeitos como todos nós. Ele tem um grande dom que é o seu carisma de atrair pessoas e formar uma grande congregação (o que é bom para a evangelização). Por causa disso ele atraiu uma doentia inveja da parte de outros clérigos colegas seus, que não tendo esses dons se veem frustrados frente ao seu indiscutível sucesso.

    Ora, tudo isso é doença. Doença existencial, o que tristemente me faz constatar que a minha querida IEAB está doente e decadente. Está doença atinge desde a cúpula (Câmara dos Bispos) até a sua base, ou seja, clérigos e leigos que, sem estarem bem informados, fizeram julgamento sobre seus irmãos a quem consideram cismáticos.

    Tudo isso é triste e fez com que eu peça que o Senhor cure esta gente que tanto necessita de cura divina.

    São Paulo, 06 de maio de 2013.

    + Glauco Soares de Lima
    Bispo da Diocese Anglicana de São Paulo de 1990 – 2002; Bispo Primaz do Brasil de 1993 – 2003.

    Responder a este comentário
    • Paulo Sanda Autor maio 6, 21:58

      UM TESTEMUNHO
      Este testemunho é dirigido às pessoas sadias, honestas e de boa vontade que ainda existem na IEAB e fora dela.
      Antecedentes e Fatos
      No dia 08/09/12 recebi a notícia que em Concílio da DASP o Rev. Flávio Irala havia sido eleito Bispo da mesma por 19 a 18 votos na ordem leiga e 15 a 13 votos na ordem clerical.
      Diante da notícia a minha primeira atitude foi lhe telefonar e cumprimentá-lo desejando-lhe um bom episcopado.
      No dia seguinte (09/09/12) soube que tal eleição havia sido maculada por inúmeras irregularidades tais como fraudes, coações, ameaças a alguns eleitores.


      Fraudes, ameaças e coações?
      Quem fraudou?
      Quem ameaçou?
      Quem coagiu?
      Como se pode começar uma mensagem dizendo ser endereçada a pessoas sadias, honestas de boa vontade, afirmar que esta falando sobre Antecedentes e Fatos, e fazer acusações como estas sem explicação alguma?
      Só posso entender que esta mensagem seja na realidade endereçada não a pessoas sadias, mas doentias, não honestas, mas apenas interessadas em ver o que lhes interessa, se questionar se o que se diz é ou não razoável, sim é preciso ter muita “boa vontade” para concordar com uma barbaridade como esta.

      Acresça-se a isso a exígua maioria simples nas duas ordens, o que, convenhamos, embora canônica, não deveria existir na escolha de um bispo que é líder e pastor de toda uma Diocese, o que independentemente de nomes, deve supor um consenso que só uma maioria absoluta (montante de 2/3) deveria proporcionar.

      Se o autor acredita nisto, por que ele quando foi bispo desta diocese não propos esta mudança nos canones? Alias, por que aceitou sua própria eleição sem que fosse nestes termos? Bastante conveniente, dizer isto agora, quando seu candidato foi derrotado e seus planos foram frustrados.

      O bispo diocesano (Roger Bird) resolveu anular a eleição, decisão com a qual eu concordei.
      Depois disso, o que tem havido através da internet foram acusações e baixarias em linguagem sórdida e vil que eu não admitiria nem entre pessoas civilizadas, quanto mais entre cristãos. Diga-se, de passagem, que estas ofensas e insultos, em sua maioria, partiram de pessoas da igreja oficial, tanto da diocese, como de outras partes. A situação se agravou ao ponto de ir parar na justiça civil, o que é lamentável para uma entidade cristã.
      Como consequência de tudo isso, decidi apoiar os dissidentes, visto que, acima de tudo, eu sou pastor e nesta hora difícil, fiquei ao lado daqueles para quem eu sou amigo e que estão sob os meus cuidados pastorais. Por conta os ódios se voltaram contra mim também. Fizeram-me acusações às quais não respondo, pois estou em paz com a minha consciência e com Deus.

      Novamente o autor faz acusações, não mostra quem foram os autores nem os atos.
      Que acusações? Que baixarias em linguagem vil e sórdida?
      Será uma carta com acusações mentirosas, e com fotos ilegais tiradas de uma camara de circuito interno de um condomínio?

      Minha Interpretação
      As pessoas atingidas, a partir do Rev. Aldo Quintão, são pessoas que cumprem com fidelidade o seu ministério e com as quais partilho meu respeito e consideração.
      O Rev. Aldo é um sacerdote que tem qualidades e defeitos como todos nós. Ele tem um grande dom que é o seu carisma de atrair pessoas e formar uma grande congregação (o que é bom para a evangelização). Por causa disso ele atraiu uma doentia inveja da parte de outros clérigos colegas seus, que não tendo esses dons se veem frustrados frente ao seu indiscutível sucesso.
      Ora, tudo isso é doença. Doença existencial, o que tristemente me faz constatar que a minha querida IEAB está doente e decadente. Está doença atinge desde a cúpula (Câmara dos Bispos) até a sua base, ou seja, clérigos e leigos que, sem estarem bem informados, fizeram julgamento sobre seus irmãos a quem consideram cismáticos.
      Tudo isso é triste e fez com que eu peça que o Senhor cure esta gente que tanto necessita de cura divina.
      São Paulo, 06 de maio de 2013.

      Esta é a sua interpretação Glauco, a quem já admirei e a cada dia vejo notícias piores, e se havia um resto de esperança, ela se esvai com uma mensagem tão absurdamente descabida.
      Mas de minha parte, concordo contigo em um ponto, não vocês não são cismáticos, um cisma em geral tem pelo menos bases teológicas, neste caso não sei que nome dar.

      Responder a este comentário
Ver comentários

Faça um comentário

Deixe uma resposta