-------------------------------------------
| HOME | TRADUÇÕES | TRANSCRIÇÕES | HINOS |
-------------------------------------------

Nosso Rei não será zombado


John MacArthur
Grace Church (Igreja da Graça)
- 24 de Janeiro de 2021


Nesta manhã irei desafiá-los um pouco. Vou abrir a palavra de Deus e peço que me acompanhem e permaneçam comigo. Prometo que a recompensa será exatamente aquilo que você esperaria quando presta atenção à palavra de Deus. Vamos começar em Lucas 17, versos 20 a 25. Várias vezes falei sobre essa passagem, mas vou a ela novamente.

Lucas 17:20-25: "E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós. E disse aos discípulos: Dias virão em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis. E dir-vos-ão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali. Não vades, nem os sigais; Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia. Mas primeiro convém que ele padeça muito, e seja reprovado por esta geração".

Recentemente vimos uma posse presidencial. A posse presidencial é um evento destinado a marcar a ascensão de uma autoridade governamental. Ela é planejada para ser mais pública possível, demonstrando à maior quantidade de pessoas possíveis o significado e poder da autoridade governamental. Uma posse é uma miniatura de uma coroação, que é a declaração de poder e autoridade de um monarca, um rei.

Mas nunca tivemos um rei nos Estados Unidos. Na verdade, temos orgulho na Revolução Americana, quando retiramos o governo de um rei britânico, que se chamava George III. Celebramos o fato de que nos livramos de reis. Esse se tornou o caminho do mundo inteiro. Há poucas monarquias com reis de verdade. Existem alguns reis e rainhas simbólicos, sem poder. Há alguns ditadores monarcas autocráticos e militares onde um homem governa com poder até mesmo para tirar a vida de outros.

Mas monarcas absolutos são raros, existem poucos. É um lugar onde um homem governa com soberania, poder supremo sobre os demais, irrestrito por qualquer lei, legislação, tradição ou qualquer costume. Hoje temos o Brunei na Ásia, Estwatini, também conhecido como Swaziland na África, Oman no Oriente Médio. Temos a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, uma coalizão de pequenas monarquias.

Existe mais uma monarquia. E uma monarquia verdadeira, absolutista. É a menor nação do mundo. Possui meio quilômetro quadrado e com a população de 825 pessoas. É o Vaticano. A Cidade do Vaticano é chamada de teocracia eclesiástica, um reino de soberania absoluta. Essa soberania absoluta é o papa. Existiram 266 papas durante a história deste reino teocrático eclesiástico. Ele reina não apenas neste reino, mas sobre todos aqueles que, por extensão, pertencem a esse reino pois são parte da Igreja Católica Romana. Atualmente o trono é ocupado por um antigo segurança de bar e zelador que gosta de tango, chamado Jorge Mario Bergoglio, que assumiu o nome de Francisco.

No mundo não existem outros monarcas. Há algumas tribos aqui e ali com um homem reinando. Mas nos nossos dias, praticamente nos ressentimos das monarquias. Celebramos o fim das monarquias, o fim das ditaduras, o fim dos reinos. Nós exaltamos a democracia. Em nosso país, gastamos incontáveis dólares, incontáveis vidas, incontáveis anos tentando tornar outros países democráticos como o nosso.

Você pode ficar chocado, mas a bíblia não defende a democracia. A bíblia não menciona democracia. A bíblia não comenta sobre democracia e não define o que é democracia. Não há nenhum lugar em toda a bíblia onde você encontre democracia. Não há um país sequer revelado nas Escrituras onde ela tenha existido; jamais foi afirmada por Deus.

Na semana passada eu havia dito a vocês que como cristão, não creio que posso apoiar com firmeza a liberdade religiosa, porque seria uma violação ao primeiro mandamento, certo? "Não terá outros deuses." Você pode dizer: "a igreja não precisa de liberdade religiosa para avançar?" Não. De forma alguma qualquer lei política auxilia ou prejudica a igreja de Jesus Cristo. Nós somos um reino separado. Jesus disse: "O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos".

Nós lutaríamos se o reino fosse desse mundo a fim de afirmar nosso espaço no mundo. Mas este não é um reino que faz parte deste mundo, é um reino de outro mundo. A igreja não precisa de ajuda de Washington ou de qualquer governo. Quando Jesus disse: "edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela", Ele garantiu diante de todas as forças do maligno que incansavelmente atacariam a igreja, que as portas do inferno jamais conseguiriam frustrar Seu propósito.

Creio que precisamos ser lembrados de que o mundo, não apenas em suas perspectivas sociais, mas até em suas perspectivas políticas, jamais possui a intenção de ser amigo da igreja ou aliado em algum aspecto. Ouça as palavras do nosso Senhor em João 15:18: "Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu". Essa é a questão. Se você decide que ama o mundo, então pode se enfiar nele e conquistar algum nível de afeição.

"Mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia." Em outras palavras, "se vocês forem aqueles que eu os escolhi para serem, serão odiados pelo mundo." Isso não frustra o propósito de Deus para Sua igreja no mundo. Não precisamos de leis, não precisamos de políticos para Cristo edificar Sua igreja.

"Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa." Aliás, Ele disse: "Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai".

Em João 16:33, Ele diz: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições" – essa palavra é thlipsis, significa pressão, tribulação. "Mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." Final da história: Cristo vence e nós vencemos em Cristo. Mas perder agora e vencer depois não tem nada a ver com ajuda política.

Aqui vai outra surpresa para adicionar à anterior. A bíblia não recomenda, prefere ou nem mesmo discute sobre democracia. O mundo antigo tinha reis. Nenhuma outra forma de governo aparece nem no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento. Reis foram uma graça comum. Já falamos sobre Deus dar a graça comum e governo é graça comum a fim de trazer ordem à sociedade. Mas também entendemos que graça comum mais comum de governo é uma monarquia; na verdade, reis eram tão comuns que não encontramos no Antigo Testamento nenhuma nação sob qualquer outro tipo de governo. Ter um rei era tão normal que a tragédia épica de Israel no Antigo Testamento foi que eles queriam um rei assim como todas as outras nações pagãs.

Israel era uma democracia? Jamais. O que era então? Era uma monarquia teocrática e Deus era Rei. Yahweh era o seu Rei. O Deus da aliança era seu Rei. O Senhor Yahweh era Rei de Israel para sempre.

Você acha que isso é suficiente, não é? Isaías tinha muito o que dizer sobre isso. Isaías 44:6: "Assim diz o Senhor, Rei de Israel". Ouviram isso? "Assim diz o Senhor, Rei de Israel, e seu Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus." No verso 8 deste mesmo capítulo Ele diz: "Porventura há outro Deus fora de mim? Não, não há outra Rocha que eu conheça." Ou seja, o Rei de Israel é o único Deus. Em Isaías 33:22 lemos: "Porque o Senhor é o nosso Juiz; o Senhor é o nosso legislador; o Senhor é o nosso rei, ele nos salvará".

Essa foi a confissão do povo. Ouça a resposta dos céus em Isaías 43:15: "Eu sou o Senhor, vosso Santo, o Criador de Israel, vosso Rei." E em Malaquias 1:14 Deus diz: "Eu sou um grande Rei". Um Rei tão grande que era temido entre as nações.

Há apenas um Deus no universo e Ele, em Sua misericórdia e graça deu a Si mesmo ao povo, os Judeus, para ser seu Rei. Que privilégio surpreendente, não é? E todos no mundo antigo sabiam que Deus era o Rei de Israel. Eles sabiam sobre esse Deus que os havia libertado do Egito. Eles sabiam sobre esse Deus cujo poder havia afogado o exército egípcio. Eles sabiam sobre esse Deus que os havia sustentado por quarenta anos no deserto. Eles sabiam sobre esse Deus que os havia trazido para uma terra e permitido que conquistassem os poderosos inimigos residentes. E eles sabiam que as pessoas adoravam esse Deus, porque quando chegaram na terra vieram com a tenda do tabernáculo.

Em todo lugar, eles levavam a tenda. Eles armavam acampamento. Todas as tribos estavam em volta de uma pequena caixa chamada arca da aliança. A arca da aliança tinha querubins, porque Deus habita na presença de querubins e esse era o símbolo do Seu trono. Deus é invisível, mas demonstrava Sua presenta de forma simbólica na arca. Eles carregavam a arca em todos os lugares que iam. Eles a colocavam no centro e todas as tribos focavam na arca.

Se você acha que o pecado não pode te deixar idiota, se prepare para esta história. Sob ataque dos midianitas, Israel decidiu que queria um rei. Eles queriam um rei? Quer dizer, um outro rei além de Deus, Yahweh, o Rei do universo, o Rei verdadeiro, Juiz, Redentor? Sim, eles queriam um rei. Quem supervisionava a vida em Israel antes deles terem um rei? Deus. Era um reino teocrático e Deus tinha agentes, que eram os juízes e profetas. Um desses juízes era um homem muito familiar chamado Gideão. Abram suas bíblias em Juízes 8. Não temos tempo para ler toda a história, mas é uma história incrível de como Deus usou Gideão. Isso nos leva ao capítulo 8, verso 22.

Gideão tinha acabado de ter uma grande vitória. Os homens de Israel disseram a Gideão: "Domina sobre nós, tanto tu, como teu filho e o filho de teu filho; porquanto nos livraste da mão dos midianitas." Ou seja, "vamos iniciar uma família monarca, você sendo nosso rei." Gideão respondeu: "Sobre vós eu não dominarei, nem tampouco meu filho sobre vós dominará; o Senhor sobre vós dominará." É como se tivesse dito: "Não troquem Ele por mim, isso é loucura".

O último juiz foi um homem chamado Samuel. Vá para 1 Samuel 3. Essa é uma história impressionante. Em certo sentido, é o fim do reinado de Deus sobre Israel. Capítulo 3, verso 9: "E crescia Samuel, e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor." É exatamente assim que um rei deveria agir, certo? Deus é Rei e Ele mediava Seu reino através das palavras que Ele dava aos Seus profetas. O Senhor tinha Seu caminho com Samuel.

Então chegamos ao capítulo 4, é inacreditável. "E veio a palavra de Samuel a todo o Israel; e Israel saiu à peleja contra os filisteus e acampou-se junto a Ebenézer; e os filisteus se acamparam junto a Afeque. E os filisteus se dispuseram em ordem de batalha, para sair contra Israel; e, estendendo-se a peleja, Israel foi ferido diante dos filisteus, porque feriram na batalha, no campo, uns quatro mil homens. E voltando o povo ao arraial, disseram os anciãos de Israel: Por que nos feriu o Senhor hoje diante dos filisteus? Tragamos de Siló a arca da aliança do Senhor" – este é símbolo da presença de Deus, é o Seu trono - "e venha no meio de nós, para que nos livre da mão de nossos inimigos." Então o que aconteceu foi que a arca, que é o símbolo da presença verdadeira de Deus no meio do seu povo, com quem Ele havia feito um pacto, se tornou um amuleto da sorte.

O pecado tornou essas pessoas burras. E mesmo com um juiz profeta tão nobre quanto Samuel, sua burrice não podia ser evitada. Então eles perderam a batalha e perderam vidas. Então disseram: "precisamos trazer Deus aqui embaixo, pegue a caixa".

"Enviou, pois, o povo a Siló, e trouxeram de lá a arca da aliança do Senhor dos Exércitos, que habita entre os querubins." - lembrando-os que este é o trono de Deus - "e os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, estavam ali com a arca da aliança de Deus. E sucedeu que, vindo a arca da aliança do Senhor ao arraial, todo o Israel gritou com grande júbilo, até que a terra estremeceu." Porque, bem, Deus apareceu, o amuleto da sorte. "E os filisteus, ouvindo a voz de júbilo, disseram: Que voz de grande júbilo é esta no arraial dos hebreus? Então souberam que a arca do Senhor era vinda ao arraial. Por isso os filisteus se atemorizaram, porque diziam: Deus veio ao arraial. E diziam mais: Ai de nós! Tal nunca jamais sucedeu antes." Eles temiam o Deus de Israel porque eles conheciam a história do Seu poder. Eles O temiam mais do que Israel O amava.

Eles disseram: "Ai de nós! Quem nos livrará da mão desses grandiosos deuses? Estes são os deuses que feriram aos egípcios com todas as pragas junto ao deserto. Esforçai-vos, e sede homens, ó filisteus, para que porventura não venhais a servir aos hebreus, como eles serviram a vós; sede, pois, homens, e pelejai." Ou seja, uma lição de moral: "Vocês não podem se sentir intimidados por esse Deus, vocês precisam ir à guerra".

"Então pelejaram os filisteus, e Israel foi ferido, fugindo cada um para a sua tenda; e foi tão grande o estrago, que caíram de Israel trinta mil homens de pé." Deus estava dizendo: "Vocês não vão me usar como um amuleto da sorte." Verso 11: "E foi tomada a arca de Deus" – os filisteus tomaram posse de Deus - "e os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, morreram".

A situação não terminou muito bem, não é? Alguém disse "tragam Deus e venceremos." Eles fizeram isso e foram massacrados. O que aconteceu? Veja o verso 18: "E sucedeu que, fazendo ele menção da arca de Deus, Eli caiu da cadeira para trás, ao lado da porta, e quebrou-se-lhe o pescoço e morreu; porquanto o homem era velho e pesado; e tinha ele julgado Israel quarenta anos. E, estando sua nora, a mulher de Finéias, grávida, e próxima ao parto, e ouvindo estas notícias, de que a arca de Deus era tomada, e de que seu sogro e seu marido morreram, encurvou-se e deu à luz; porquanto as dores lhe sobrevieram. E, ao tempo em que ia morrendo, disseram as mulheres que estavam com ela: Não temas, pois deste à luz um filho".

Ela morreu durante o parto. Hofni e Finéias morreram, Eli morreu, 30 mil soldados morreram. A esposa de Finéias está em processo de parto; ela morre, a criança vive. "Ao tempo em que ia morrendo, disseram as mulheres que estavam com ela: Não temas, pois deste à luz um filho. Ela porém não respondeu, nem fez caso disso. E chamou ao menino Icabode, dizendo: De Israel se foi a glória! Porque a arca de Deus foi tomada, e por causa de seu sogro e de seu marido. E disse: De Israel a glória é levada presa; pois é tomada a arca de Deus." Você sabe o que ela quis dizer? "Deus se foi. Podemos ter uma caixa, mas não temos Deus".

Veja o capítulo 5. Se você acha que isso era um problema para Israel, imagine o problema que foi para os filisteus. Agora eles tinham Deus. "Os filisteus, pois, tomaram a arca de Deus e a trouxeram de Ebenézer a Asdode. Tomaram os filisteus a arca de Deus, e a colocaram na casa de Dagom, e a puseram junto a Dagom." Dagom era como uma sereia invertida, era um homem com cabeça de peixe e pernas de homem, um ídolo bizarro.

Imagine a arca da aliança ao lado de Dagom. "Levantando-se, porém, de madrugada no dia seguinte, os de Asdode, eis que Dagom estava caído com o rosto em terra, diante da arca do Senhor; e tomaram a Dagom, e tornaram a pô-lo no seu lugar. E, levantando-se de madrugada, no dia seguinte, pela manhã, eis que Dagom jazia caído com o rosto em terra diante da arca do Senhor; e a cabeça de Dagom e ambas as palmas das suas mãos estavam cortadas sobre o limiar; somente o tronco ficou a Dagom". Alguém havia decapitado aquele ídolo. Não se coloca ídolo no mesmo lugar que está o vivo e verdadeiro Deus.

Obviamente esse foi o fim da religião de Dagom. O verso 5 diz: "Por isso nem os sacerdotes de Dagom, nem nenhum de todos os que entram na casa de Dagom pisam o limiar de Dagom em Asdode, até ao dia de hoje." Aquela religião deixou de existir imediatamente. Quer dizer, se o Deus de Israel pode arrancar a sua cabeça e suas mãos, não precisamos de você.

"Vendo então os homens de Asdode que assim foi, disseram: Não fique conosco a arca do Deus de Israel; pois a sua mão é dura sobre nós, e sobre Dagom, nosso deus. Por isso enviaram mensageiros e congregaram a si todos os príncipes dos filisteus, e disseram: Que faremos nós da arca do Deus de Israel? E responderam: a arca do Deus de Israel será levada até Gate." Ou seja: "leve a arca embora, mandem para outra cidade." Gate é a cidade de Golias.

"E sucedeu que, assim que a levaram, a mão do Senhor veio contra aquela cidade, com mui grande vexame; pois feriu aos homens daquela cidade, desde o pequeno até ao grande; e tinham hemorroidas nas partes íntimas. Então enviaram a arca de Deus a Ecrom. Sucedeu, porém, que, vindo a arca de Deus a Ecrom, os de Ecrom exclamaram, dizendo: Transportaram para nós a arca do Deus de Israel, para nos matarem, a nós e ao nosso povo." É um problema ter Deus em suas mãos. Zombar e desonrar Deus em todas essas maneiras é uma atitude mortal.

Então eles se reuniram, no verso 11: "e congregaram a todos os príncipes dos filisteus, e disseram: Enviai a arca do Deus de Israel, e torne para o seu lugar, para que não mate nem a nós nem ao nosso povo. Porque havia mortal vexame em toda a cidade, e a mão de Deus muito se agravara ali. E os homens que não morriam eram tão atacados com hemorroidas que o clamor da cidade subia até o céu." Deus está realizando um massacre onde quer que a arca vá.

O capítulo 6 diz: "Havendo, pois, estado a arca do SENHOR na terra dos filisteus sete meses, os filisteus chamaram os sacerdotes e os adivinhadores, dizendo: Que faremos nós com a arca do Senhor? Fazei-nos saber como a tornaremos a enviar ao seu lugar. Os quais disseram: Se enviardes a arca do Deus de Israel, não a envieis vazia, porém sem falta enviareis uma oferta para a expiação da culpa".

Esses são pagãos dizendo: "não apenas envie de volta, mas envie com uma oferta pela nossa culpa." O que quer dizer? "Envie de volta com algo que indique que vocês sabem que violaram aquele Deus. Admita que o que aconteceu com vocês é merecido pois violaram aquele Deus." Impressionante.

"Então disseram: Qual é a expiação da culpa que lhe havemos de enviar? E disseram: Segundo o número dos príncipes dos filisteus, cinco hemorroidas de ouro e cinco ratos de ouro". Isso é chamado de oferta votiva. Você cria algo que se parece com a punição: ratos por causa da praga e hemorroidas por causa das hemorroidas. Eles iam enviar isso como dizendo ao Deus ofendido: "reconhecemos que Te ofendemos." Verso 5 resume: "dai glória ao Deus de Israel; porventura aliviará a sua mão de cima de vós, e de cima do vosso deus, e de cima da vossa terra".

Veja o capítulo 6, verso 17. Essas são as hemorroidas de ouro. Isso está ficando mais sério. Eles estão com tanto medo desta deidade que começaram a fazer essas representações votivas do Seu julgamento em ouro. Eles colocaram em cima da arca para enviá-la de volta.

"E o Senhor feriu os homens de Bete-Semes, porquanto olharam para dentro da arca do Senhor; feriu do povo cinqüenta mil e setenta homens; então o povo se entristeceu, porquanto o Senhor fizera tão grande estrago entre o povo. Então disseram os homens de Bete-Semes: Quem poderia subsistir perante este santo Senhor Deus?" Aquele que é pecador não consegue sobreviver um encontro com Ele. A arca foi levada a Quiriate-Jearim. Ela ficou lá por 20 anos e toda a casa de Israel lamentou.

"Então falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se com todo o vosso coração vos converterdes ao Senhor, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes" – aqui está o problema. Deus não os defendeu porque eles haviam se voltado aos ídolos – "preparai o vosso coração ao Senhor, e servi a ele só, e vos livrará da mão dos filisteus. Então os filhos de Israel tiraram dentre si aos baalins e aos astarotes, e serviram só ao Senhor. Disse mais Samuel: Congregai a todo o Israel em Mizpá; e orarei por vós ao Senhor. E congregaram-se em Mizpá, e tiraram água, e a derramaram perante o Senhor, e jejuaram aquele dia, e disseram ali: Pecamos contra o Senhor." Aqui vemos a confissão. E disseram: "Não cesses de clamar ao Senhor nosso Deus por nós".

Por causa do tempo, veja o verso 15. Deus deu a eles paz com os seus inimigos. "E Samuel julgou a Israel todos os dias da sua vida. E ia de ano em ano, e rodeava a Betel, e a Gilgal, e a Mizpá, e julgava a Israel em todos aqueles lugares." Lembrem-se de que, quando diz que ele estava julgando Israel, ele estava transmitindo a eles a palavra do Senhor. "Porém voltava a Ramá, porque estava ali a sua casa, e ali julgava a Israel; e edificou ali um altar ao Senhor".

Agora, relembre a história. Eles tinham Deus como seu rei, o Deus que os protegeu das pragas no Egito, afogou todo o exército egípcio, os conduziu pelo deserto durante anos, os levou até a terra prometida, deu a eles vitória sobre seus inimigos. É o Deus que havia mostrado Seu poder exterminando estrangeiros pagãos de todo tipo. Agora eles possuem Deus de volta e possuem um juiz fiel. Talvez isso seja para sempre, certo?

Capítulo 8: "E sucedeu que, tendo Samuel envelhecido, constituiu a seus filhos por juízes sobre Israel. E o nome do seu filho primogênito era Joel, e o nome do seu segundo, Abia; e foram juízes em Berseba. Porém seus filhos não andaram pelos caminhos dele, antes se inclinaram à avareza, e aceitaram suborno, e perverteram o direito." Bem, aqui temos os políticos corruptos.

Veja isso: "Então todos os anciãos de Israel se congregaram, e vieram a Samuel, a Ramá, e disseram-lhe: Eis que já estás velho, e teus filhos não andam pelos teus caminhos; constitui-nos, pois, agora um rei sobre nós, para que ele nos julgue, como o têm todas as nações." Isso é uma clara e completa apostasia. É como dizer: "não queremos Deus como nosso Rei".

"Porém esta palavra pareceu mal aos olhos de Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei, para que nos julgue. E Samuel orou ao Senhor. E disse o Senhor a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles." O pecado realmente não te deixa idiota?

"E falou Samuel todas as palavras do Senhor ao povo, que lhe pedia um rei. E disse: Este será o costume do rei que houver de reinar sobre vós; ele tomará os vossos filhos, e os empregará nos seus carros, e como seus cavaleiros, para que corram adiante dos seus carros. E os porá por chefes de mil, e de cinqüenta; e para que lavrem a sua lavoura, e façam a sua sega, e fabriquem as suas armas de guerra e os petrechos de seus carros. E tomará as vossas filhas para perfumistas, cozinheiras e padeiras. E tomará o melhor das vossas terras, e das vossas vinhas, e dos vossos olivais, e os dará aos seus servos. E as vossas sementes, e as vossas vinhas dizimará, para dar aos seus oficiais, e aos seus servos. Também os vossos servos, e as vossas servas, e os vossos melhores moços, e os vossos jumentos tomará, e os empregará no seu trabalho. Dizimará o vosso rebanho, e vós lhe servireis de servos. Então naquele dia clamareis por causa do vosso rei, que vós houverdes escolhido; mas o Senhor não vos ouvirá naquele dia." Samuel estava dizendo: "sabe o que vocês estão fazendo? Estão trocando o Rei Redentor por um ditador, anti-Deus, narcisista e autocrático".

Verso 21: "Ouvindo, pois, Samuel todas as palavras do povo, as repetiu aos ouvidos do Senhor." Ele disse: "Senhor, não posso acreditar nisso, mas vou te dizer o que eles me disseram", como se o Senhor não havia ouvido. "Então o Senhor disse a Samuel: dá ouvidos à sua voz, e constitui-lhes rei".

Capítulo 12, verso 12: "reinará sobre nós um rei; sendo, porém, o Senhor vosso Deus, o vosso rei." Essa é a apostasia épica de Israel. É introduzido Saul. Saul irá se tornar rei.

Vá para o capítulo 10, verso 17: "Convocou, pois, Samuel o povo ao Senhor, em Mizpá. E disse aos filhos de Israel: Assim disse o Senhor Deus de Israel: Eu fiz subir a Israel do Egito, e livrei-vos da mão dos egípcios e da mão de todos os reinos que vos oprimiam. Mas vós tendes rejeitado hoje a vosso Deus, que vos livrou de todos os vossos males e trabalhos, e lhe tendes falado: Põe um rei sobre nós. Agora, pois, ponde-vos perante o Senhor, pelas vossas tribos e segundo os vossos milhares. Tendo, pois, Samuel feito chegar todas as tribos, tomou-se a tribo de Benjamim." Aliás, todo rei em Israel deveria vir da tribo de Judá. "E, fazendo chegar a tribo de Benjamim pelas suas famílias, tomou-se a família de Matri; e dela se tomou Saul, filho de Quis". Por que Saul? Bem, isso já sabemos, porque no verso 23 diz: "era mais alto do que todo o povo desde o ombro para cima." Verso 22: "Então tornaram a perguntar ao Senhor se aquele homem ainda viria ali. E disse o Senhor: Eis que se escondeu entre a bagagem." Que ótimo. Temos um homem alto, atraente, escondido entre a bagagem.

O que ele fazia? Ele buscava por jumentos perdidos. Esse era seu emprego. Infelizmente, não o fazia muito bem, já que não conseguia encontrá-los. Ele foi de um extremo da terra até o outro extremo e não conseguia encontrá-los. E alguém disse: "ah, eles já retornaram para casa." O pecado te deixa tolo e faz com que você faça escolhas burras para liderança. Quem troca Deus por um homem alto, atraente, incompetente que se esconde entre a bagagem?

Por que Deus permite isso? Julgamento. Você entende isso? É um julgamento. "Vocês querem um rei? Lhes darei um rei, um que mostrará quão tolos vocês são por deixarem Deus." Saul é o anti-rei. Ele é a ilustração do pior rei ou governante. É a intenção de Deus. Saul foi um completo desastre e conhecemos o lado triste da história.

Capítulo 15, verso 23: "Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniqüidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do Senhor, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei." Saul foi um total desastre, o povo rejeitou o Senhor para ganhar Saul, depois o Senhor rejeitou Saul, porque este O rejeitou. "Então disse Saul a Samuel: Pequei, porquanto tenho transgredido a ordem do Senhor e as tuas palavras; porque temi ao povo, e dei ouvidos à sua voz." Aí está o covarde escondido nas bagagens. Ele temeu o povo.

Isso você não vê com frequência na bíblia, veja o verso 35: "E o Senhor se arrependeu de haver posto a Saul rei sobre Israel." E aliás, Samuel disse: "Não haverá futuro para você. Você está terminado. O próximo rei não virá da sua família." A sabedoria que vem de baixo é demoníaca, não é mesmo? O pecado te deixa tolo.

O Senhor foi bondoso com eles. Qual foi o próximo rei? Davi. E Davi era como Samuel. Duas vezes é dito: "O Senhor era com ele." Era um homem com um coração para Deus. Mas através de Saul o Senhor os lembrou que quando você O troca por outro, a insanidade perversa é devastadora.

Há uma passagem em Oseias, no capítulo 13, que é muito profunda. Oseias declara o julgamento a Efraim: "Quando Efraim falava, tremia-se; foi exaltado em Israel; mas ele se fez culpado em Baal, e morreu. E agora multiplicaram pecados, e da sua prata fizeram uma imagem de fundição, ídolos segundo o seu entendimento, todos obra de artífices, dos quais dizem: Os homens que sacrificam beijem os bezerros. Por isso serão como a nuvem da manhã, e como o orvalho da madrugada, que cedo passa; como folhelho que a tempestade lança da eira, e como a fumaça da chaminé." Eles desapareceriam, Deus disse que seriam vaporizados.

"Todavia, eu sou o Senhor teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador senão eu. Eu te conheci no deserto, na terra muito seca. Depois eles se fartaram em proporção do seu pasto; estando fartos, ensoberbeceu-se o seu coração, por isso se esqueceram de mim." Enquanto Ele os levava para a terra de leite e mel, eles O esqueceram.

"Serei, pois, para eles como leão; como leopardo espiarei no caminho. Como ursa roubada dos seus filhos, os encontrarei, e lhes romperei as teias do seu coração, e como leão ali os devorarei; as feras do campo os despedaçarão." Ele prometeu julgamento divino e isso veio pelas mãos dos Assírios por volta do ano 732 e os levou. Eles nunca mais retornaram.

"Para a tua perda, ó Israel, te rebelaste contra mim, a saber, contra o teu ajudador. Onde está agora o teu rei, para que te guarde em todas as tuas cidades, e os teus juízes, dos quais disseste: Dá-me rei e príncipes? Dei-te um rei na minha ira, e tirei-o no meu furor".

Há uma interessante realidade nessa última frase. Na verdade são verbos imperfeitos que significam ação contínua. Literalmente é: "Eu tenho dado reis na minha ira e os tenho tirado no meu furor." Isso se refere ao reino do norte, ao qual Deus deu dez reis, todos malignos e perversos. Ele deu como julgamento e retirou como julgamento, depois deu um pior como julgamento e o tirou. Essa ação se repetiu várias vezes. O Senhor disse: "Vocês quiseram um rei, eu lhes dei reis. Eu os coloquei na minha ira e os tirei no meu furor. Coloquei outro na minha ira e o tirei no meu furor. Sua idolatria continuou, tudo se acabou depois dos dez reis, vocês irão para o cativeiro." Quando você troca o verdadeiro Rei por qualquer outro rei, você está zombando de Deus.

Há esperança? Veja o capítulo 14 de Oseias. É o coração de Deus em prantos através do profeta: "Converte-te, ó Israel, ao SENHOR teu Deus; porque pelos teus pecados tens caído. Tomai convosco palavras, e convertei-vos ao Senhor; dizei-lhe: Tira toda a iniqüidade, e aceita o que é bom; e ofereceremos como novilhos os sacrifícios dos nossos lábios. Não nos salvará a Assíria, não iremos montados em cavalos, e à obra das nossas mãos já não diremos mais: Tu és o nosso deus; porque por ti o órfão alcança misericórdia. Eu sararei a sua infidelidade, eu voluntariamente os amarei; porque a minha ira se apartou deles. Eu serei para Israel como o orvalho. Ele florescerá como o lírio e lançará as suas raízes como o Líbano. Estender-se-ão os seus galhos, e a sua glória será como a da oliveira, e sua fragrância como a do Líbano. Voltarão os que habitam debaixo da sua sombra; serão vivificados como o trigo, e florescerão como a vide; a sua memória será como o vinho do Líbano. Efraim dirá: Que mais tenho eu com os ídolos? Eu o tenho ouvido, e cuidarei dele; eu sou como a faia verde; de mim é achado o teu fruto. Quem é sábio, para que entenda estas coisas? Quem é prudente, para que as saiba? Porque os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles, mas os transgressores neles cairão".

Foram duzentos anos de alerta antes que chegasse o cativeiro.

Israel trocou seu Rei, o verdadeiro e vivo Deus, por uma sequência de governadores perversos. Eles escolheram a mentira, a fraude. Escolheram um anti-rei, um tipo de anticristo, em vez do Deus do universo. Deus havia prometido enviar um rei e Ele cumpriu, enviou um rei verdadeiro. Ele disse a Davi, em 2 Samuel 7. "Enviarei um da sua descendência que terá um reino eterno".

O evangelho de Lucas se inicia quando de um anjo as palavras foram ditas a Maria: "em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim." Isaías diz: "se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz." E Ele veio, um verdadeiro Rei novamente. Tudo culminou quando eles tiveram que decidir: eles queriam um Rei verdadeiro? Eles queriam um ladrão chamado Barrabás?

A mesma estupidez pecaminosa surge no capítulo 18 de João, verso 33: "Tornou, pois, a entrar Pilatos na audiência, e chamou a Jesus, e disse-lhe: Tu és o Rei dos Judeus? Respondeu-lhe Jesus: Tu dizes isso de ti mesmo, ou disseram-to outros de mim? Pilatos respondeu: Porventura sou eu judeu? A tua nação e os principais dos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. Disse-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Jesus respondeu: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade?" Isso Pilatos disse cinicamente.

"E, dizendo isto, tornou a ir ter com os judeus, e disse-lhes: Não acho nele crime algum. Mas vós tendes por costume que eu vos solte alguém pela páscoa. Quereis, pois, que vos solte o Rei dos Judeus? Então todos tornaram a clamar, dizendo: Este não, mas Barrabás" – em vez de Jesus. Isso foi uma estupidez. Veja no capítulo 19, verso 15: "Mas eles bradaram: Tira, tira, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais dos sacerdotes: Não temos rei, senão César".

Há somente um Rei verdadeiro, não é? A tragédia na história de Israel, a tragédia da história humana é que o mundo não reconhece o Rei verdadeiro, o real e vivo Deus e Seu Filho. Mas Deus já determinou que Seu Filho será Rei.

"Por que se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o Senhor e contra o seu ungido, dizendo: Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas. Aquele que habita nos céus se rirá; o Senhor zombará deles. Então lhes falará na sua ira, e no seu furor os turbará. Eu, porém, ungi o meu Rei sobre o meu santo monte de Sião. Proclamarei o decreto: o Senhor me disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei. Pede-me, e eu te darei os gentios por herança, e os fins da terra por tua possessão. Tu os esmigalharás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra. Servi ao Senhor com temor, e alegrai-vos com tremor. Beijai o Filho, para que se não ire, e pereçais no caminho, quando em breve se acender a sua ira; bem-aventurados todos aqueles que nele confiam." (Salmo 2). É melhor se refugiar no Rei verdadeiro, não é?

A história de Israel é uma história de blasfêmia, de abominação, de apostasia, de deserção. Inconcebivelmente uma história de troca do Deus verdadeiro pelo anti-rei, o perverso rei, o tolo rei: Saul. Fazendo também a última troca, de Jesus Cristo por um anticristo estúpido chamado César.

Quero mostrar-lhes uma coisa, vemos encerrar com 2 Samuel 6. Eles finalmente quiseram trazer a arca de volta. Havia um procedimento de como a arca deveria ser transportada. Haviam anéis onde longos bastões eram encaixados para que ninguém tocasse nela. Mas eles não fizeram assim. É dito que eles queriam transportar a arca. Verso 3: "E puseram a arca de Deus em um carro novo" – essa é uma clara violação da ordem de Deus – "e a levaram da casa de Abinadabe, que está em Gibeá; e Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe, guiavam o carro novo. E levando-o da casa de Abinadabe, que está em Gibeá, com a arca de Deus, Aiô ia adiante da arca. E Davi, e toda a casa de Israel, festejavam perante o Senhor, com toda a sorte de instrumentos de pau de faia, como também com harpas, e com saltérios, e com tamboris, e com pandeiros, e com címbalos." Isso se parece com uma coroação. Deus está retornando, eles entronariam Deus novamente no lugar que Ele pertence.

Verso 6: "E, chegando à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de Deus, e pegou nela; porque os bois a deixavam pender." A arca começou a tombar, então Uzá estendeu a mão para colocá-la no lugar. Verso 7: "Então a ira do Senhor se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta imprudência; e morreu ali junto à arca de Deus".

Deixe-me dizer algo: tenha cuidado quando você toca Deus. Pensei nisso naquela posse presidencial. Você pode dizer o que quiser, mas quando você toca na arca, quando coloca a mão no trono de Deus, pois Deus está entronizado em Sua palavra, e você coloca sua mão na Palavra de Deus e jura fazer as coisas que blasfema Seu nome, é uma ação de alto risco. Tudo o que Uzá fez foi o que achou demonstrar algum respeito. Deus não quer o seu respeito, Ele quer a sua obediência.

Não venha me dizer que você defende o massacre de bebês no ventre. Não venha me dizer que você quer destruir masculinidade, feminilidade, casamento. Não venha me dizer que quer encher o mundo de pessoas LGBTQ em posições de liderança, quer justificar atividades transsexuais. Não venha me dizer que quer convidar muçulmanos, que representam uma religião do inferno, e ao mesmo tempo coloca a mão no trono de Deus. Você pode fazer o juramento que quiser, mas não zombe de Deus.

Uma palavra final, apenas um lembrete.

"As obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus".

Preciso encerrar a mensagem. Busque o reino. Busque o reino buscando o Rei. Arrependa-se, o Rei está aqui. Arrependa-se e receba o evangelho. Vamos nos curvar em oração.

Pai nosso, certamente nos lembramos do rei do antigo testamento de nome Nabucodonosor, o qual zombou de Ti e foi jogado longe da humanidade por sete anos, vivendo em um campo, seu corpo foi encharcado pelo orvalho, seus cabelos cresceram como penas de águia e suas unhas como garras de pássaro. Ali ele ficou até aprender que Tu governas sobre a humanidade. Por fim ele disse: "eu bendisse o Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. E todos os moradores da terra são reputados em nada, e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes? No mesmo tempo tornou a mim o meu entendimento, e para a dignidade do meu reino tornou-me a vir a minha majestade e o meu resplendor; e buscaram-me os meus conselheiros e os meus senhores; e fui restabelecido no meu reino, e a minha glória foi aumentada. Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba." Senhor, veremos Nabucodonosor nos céus. Quão maravilhoso é isso, houve graça onde houve arrependimento. Nosso desejo, claro, não é julgamento. Por isso vivemos neste mundo brilhando como luzeiros no meio desta geração pervertida, para que as pessoas possam ver a luz e se voltarem das trevas. Há outro Rei do qual Daniel escreveu. Este é o nosso Rei. Daniel disse: "Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído." O Filho do Homem é nosso Rei, nenhum outro senão o Senhor Jesus. Todos os outros reis serão esmagados por Ele. Todo aquele que adora qualquer outro deus enfrentará o julgamento eterno. Que a luz da igreja brilhe claramente. Que o evangelho seja claro. Proclamemos isso com urgência e amor, para a Sua glória é que oramos. Amém.