-------------------------------------------
| HOME | TRADUÇÕES | TRANSCRIÇÕES | HINOS |
-------------------------------------------

Ele Amou-os Até o Fim

Terceira Reunião
(2 de Fevereiro, 1964 – Noite)


Leiamos alguns versos do evangelho de João, capítulo 13, versos 1 a 20. Vocês foram avisados de que amanhã à noite teremos uma festa de amor, mas quero dizer que a verdadeira festa de amor é esta noite. Todos cremos que a mesa do Senhor é a total expressão do amor divino. Todos os hinos que cantamos esta noite foram sobre o amor de Deus. Alguns hinos foram envolvendo a mesa do Senhor. Essa mesa mais uma vez tem falado a nós do amor de Deus em Cristo Jesus. Neste capítulo que acabamos de ler, temos o Senhor preparando Sua mesa pela primeira vez. Esta foi a primeira vez que Ele reuniu Seus discípulos em torno daquela mesa específica. Você reparou como o capítulo se inicia? "Ora, antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim".

Então, naquela mesa, Ele escreveu Seu amor para com os Seus. Em efeito, Ele disse: "Esta mesa, na qual iremos agora comer e beber, é a corporificação do Meu amor por vós." Tendo amado os Seus que estavam no mundo, Ele os amou ao extremo. E então, tudo o que se segue naquele capítulo é a explicação deste amor. Se eu disser que existem sete itens que definem Seu amor nesses vinte versos, por favor, não pensem que pregarei um longo sermão sobre cada um dos 7 itens. De forma breve, posso apenas apontar essas sete características do amor de Cristo.

"Amou-os até o fim." Creio que nesta frase está o que de mais maravilhoso já veio a este mundo. Jesus havia tido muitos problemas com aqueles homens. Eles frequentemente O interpretavam mal. Eles frequentemente O desapontavam. Eles realmente eram um grupo de homens precários. Ele conheceu suas histórias durante os últimos três anos. Mas Ele também sabia o que aconteceria depois daquela noite. Ele disse a Pedro: "antes que o galo cante, três vezes me negarás." (Mateus 26:33b – 35). Ele sabia que Pedro O negaria três vezes dizendo: "Não conheço tal homem." Ele disse a todos: "Todos vocês serão ofendidos por Minha causa esta noite. Todos vocês fugirão e Me deixarão, ficarei sozinho, mas não estarei sozinho, pois o Pai estará comigo." Ele sabia quão precário era aquele grupo de homens, mas Ele os amou até o fim.

Esse é o primeiro aspecto deste amor. Ele não se ofende com nossos fracassos. Ele não retém Seu amor porque nós falhamos. Frequentemente nós O desapontamos, podemos frequentemente fracassar, podemos frequentemente entristecer Seu coração, mas Ele continua nos amando. Ele nos ama ao extremo, até o fim. Esse é um amor muito diferente do nosso. Esse é o amor de Deus em Cristo.

Outro aspecto deste amor é quão condescendente ele é. Perceba no verso 3 a primeira frase do capítulo. "Sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas". O Pai deu todas as coisas nas Suas mãos. Quão grande Ele é! Maior do que todos os outros. Isso jamais poderia ser dito sobre qualquer outro. Deus deu a Ele todas as coisas. Mas isso não O tornou orgulhoso a ponto de não amar aqueles homens. Ele não era superior a eles, mas se fez inferior a eles. Grande como Ele é, amou homens como esses. Com toda a Sua grandeza, Ele se reduziu ao nível deles. Quão condescendente é o amor de Deus! É grande o suficiente para descer ao menor de todos e ao mais fraco.

Algumas vezes pensamos na grandiosidade de Deus em termos de poder, nas maravilhosas coisas que Ele pode fazer. Quando pensamos em grandes homens, pensamos nas suas grandezas em termos das grandiosas coisas que eles podem fazer. A grandeza de Deus é esta, que enquanto Ele tem todo o universo para cuidar, todas as grandes questões das nações, Ele pode cuidar das menores coisas. As vezes pensamos: "Ah, isso é muito pequeno para pedir ao Senhor. O Senhor é tão grande, Ele não pode ser incomodado com nossas pequenas coisas." Mas essa é a grandiosidade de Deus, poder fazer isso. Um homem realmente grandioso é aquele que se aproxima das coisas pequenas e realiza muitas coisas pequenas. O Pai depositou todas as coisas nas Suas mãos e então Ele veio a esses homens e os amou até o fim. Quão grande é Seu amor!

Terceiro ponto: olhe novamente o capítulo e veja que esse amor não faz distinção em classes de pessoas. Vocês ouviram a leitura essa noite: "Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu O sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés…" Vocês veem, Ele tomou o lugar do servo, o qual ninguém queria tomar. No lado de fora da porta de toda sala de hóspedes havia uma bacia, uma vasilha com água e uma toalha. Se fosse uma casa rica, havia também um servo. Quando os hóspedes se sentavam, o servo vinha, tirava suas sandálias e lavava seus pés. Mas essa não era uma casa rica. Jesus era pobre. Os discípulos eram pobres. Vocês conseguem vê-los entrando naquela sala? Talvez Pedro liderando o caminho, ele normalmente fazia isso. Pedro viu a bacia e a água, ele sabia que estavam ali, mas ele não estava olhando de verdade. Ele passou reto e todos os outros o seguiram. Todos eles sabiam que aquela bacia e aquela água e aquela toalha estavam ali. Mas ninguém queria ser o servo. Todos foram e se sentaram.

Jesus pegou a toalha, derramou a água na bacia e foi direto a Pedro, o homem tão importante aos seus próprios olhos, importante demais para ser um servo. O Senhor e Mestre era o servo. Eles estavam fazendo distinção entre classes de pessoas, as superiores e as inferiores. Talvez Pedro dizia: "Eu sou superior a este outro homem, ele que faça o trabalho." Talvez todos eles estavam se sentindo superiores. Mas Jesus não tinha nada daquele espírito. O amor não tem distinção entre classes de pessoas, entre nacionalidades. O amor de Deus em Cristo Jesus olha sobre todos nós de forma igual, como carentes que somos do Seu amor. Seu amor está acima de toda distinção terrena.

Quarto ponto: sabe, é tão fácil falar sobre amor, fingir amar, usar a linguagem do amor, cantar hinos sobre amor e tudo ser tão sentimental; talvez todos conheçamos pessoas que disseram nos amar, mas muito frequentemente são essas mesmas pessoas que nos machucam. O amor de Jesus não era sentimental, era prático. Ele não foi até lá com Seus discípulos e disse: "Irmãos, Eu os amo muito." Ele mostrou que os amava pelo que fez por eles. Não era um amor sentimental, era um amor prático. E foi com esse amor que Ele os amou até o fim.

Chegamos agora ao quinto ponto. O que significava esse lavar os seus pés? Nosso querido irmão Watchman Nee costumava falar sobre o "tocar a terra". Ele dizia: "Se você toca essa terra, você toca a maldade, você toca a morte." Aqueles homens haviam caminhado na rua suja de poeira. Seus pés estavam literalmente cobertos de poeira desta terra. Mas neste ato simbólico, Jesus estava dizendo: "Vocês precisam viver neste mundo, mas devem se manter limpos do mundo." Este lavar os seus pés era a Sua maneira de dizer: "O amor, o Meu amor, irá mantê-los livres do mal que está neste mundo." O amor de Cristo é um amor que limpa. Não é apenas em palavras. Esse amor nos ajuda a viver em um elevado nível de vida.

Sexto ponto: esse amor é cheio de instrução espiritual. Ele lhes disse: "O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois." Esse amor irá nos instruir sobre o que Deus ama e o que Deus não ama. Até aquele momento, os discípulos amavam o mundo. Seus corações estavam postos em um reino neste mundo. Eles queriam lugar de destaque no Reino. Eles queriam ser pessoas importantes no Reino de Cristo. E eles achavam que Ele estabeleceria um reino no qual eles seriam importantes. Era o espírito do mundo. Eles amavam o mundo. Veja o que o amor de Deus fez em seus corações! Tirou todo o amor deste mundo. Eles saíram para o mundo e passaram por sofrimentos do mundo, por causa do Seu amor nos seus corações. Eles perderam todo interesse em ser importantes no mundo. No fim, não importava se eram pessoas importantes na igreja. Eles não tinham ambição de serem mestres e pregadores. Não tinham ambição de serem anciãos na igreja. O amor de Cristo eliminou todo aquele tipo de sentimento. Eles se dispuseram a sofrer e morrer por Ele, derramarem suas vidas por Cristo. É extraordinário o que o Seu amor fez neles.

Agora chegamos ao sétimo ponto, o qual não está nesse capítulo, mas vocês repararam que tudo isso ocorreu imediatamente antes de Jesus começar a lhes falar sobre o Espírito Santo? Jesus irá dar-lhes um maravilhoso ensinamento sobre a vinda do Espírito Santo. "O Espírito, o qual o Pai enviará em Meu nome, Ele vos guiará em toda verdade. Ele não falará de si mesmo, Ele tomará o que é Meu e vos mostrará." O que isso significa? Que o Espírito que estava por vir seria o Espírito de amor. E o Espírito Santo trabalharia dentro deles para produzir esse mesmo amor por outros assim como Cristo tinha por eles.

Queridos amigos, se temos o Espírito Santo, pelo menos essas coisas devem ser encontradas em nós. Esses itens que caracterizam o amor de Cristo para com os Seus, devem nos caracterizar em nosso amor por outros. Perdoem-me, eu passei 4 minutos do meu tempo. Mas se ao menos aprendêssemos essa grande lição do Seu amor, valeria a pena permanecer aqui a noite inteira!

Capítulo Anterior | Índice | Próximo Capítulo